terça-feira, 23 de dezembro de 2014

LP Kind of Blue - vendido

Olá, leitor,
Foi vendido o LP "Kind of Blue", de Miles Davis (180 gramas).
Há vários outros LP à venda. Clique no link abaixo para visualizar todos os produtos à venda:
http://lista.mercadolivre.com.br/_CustId_95043575

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

LP John Lennon

Está a venda o LP John Lennon live in New York. Clique no link à direita para consultar todos meus produtos.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Lojas de vitrolas aproveitam volta do vinil

Os discos de vinil não são encontrados mais apenas em sebos. A volta dos LPs anima colecionadores, alimenta a onda retrô e ajuda a aumentar o faturamento de pequenas empresas especializadas na venda de vitrolas e toca-discos.

Leia mais aqui

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Atualização do acervo!

Atualizações no acervo!
Vendido os LP's "We want Miles" e "Siesta" (Miles Davis) e também o LP do Rafael Rabello.
Temos vários LP's à venda, todos em excelente estado. Temos, entre muitos outros, "Sketches of Spain", de Miles Davis (foto ao lado); temos um lote de fitas K7 e o DVD do Tangos & Tragédias, já fora do catálogo. Temos John Coltrane, Boston e muitos outros.
Clique AQUI para visualizar todos os meus produtos à venda.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Vinil em alta!

Interessante: números revelam que indústria fonográfica americana continua despencando, mas o vinil está mais em alta do que nunca.

Leia mais:
http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/tag/volta-do-vinil/

Visite minha loja virtual, onde você poderá comprar vários LP's. CLIQUE AQUI.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Atualização de acervo

Bom dia,
Comunicamos que o último lote de fitas K7 foi vendido.
Há vários e bons vinis à venda, visite o banner à direita do blog para comprar.

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Discos do Cream serão relançados em LP após a morte de Jack Bruce

A Universal Music promoverá o relançamento dos quatro discos de estúdio do Cream e dois álbuns ao vivo em novembro deste ano. Eric Clapton, Ginger Baker e Jack Bruce no melhor da forma deles, em vinil. A caixa, chamada Cream 1966-1972, trará seis LPs em alta qualidade e de 180 gramas e reproduções fieis às artes da época nas quais foram lançados. O anúncio, contudo, não revelou se os áudios foram remasterizados ou passaram por qualquer tipo de recuperação.
Leia mais...

LP's à venda e atualização do acervo

Informamos que o LP Kind of Blue, do Miles Davis, foi vendido.
Temos vários outros LP's à venda: clique AQUI ou na imagem abaixo para visitar e comprar.

http://lista.mercadolivre.com.br/cd-musica/_DisplayType_LF_CustId_95043575

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Atualização do acervo à venda!

Os LP's "A Night in Tunisia", "Milestones" e "Miles Ahead", e também "Blue Moods", estão fora do acervo pois foram vendidos.
Há vários outros LP's do Miles Davis que ainda estão à venda, incluindo: Kind of Blue, Tutu, Amandla, entre outros. Clique AQUI para ver todos os LP's à venda.

domingo, 28 de setembro de 2014

LP Miles Davis - Bitches Brew - fora do estoque

Comunicamos que o LP do Miles (Bitches Brew) foi vendido! 
Há vários títulos de jazz e rock à venda, consulte no painel à direita do blog.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

LP Miles Davis - Bitches Brew

Estou vendendo o RARO LP de Miles Davis - Bitches Brew. Pioneiro na fusão de rock / jazz, marca o início do jazz fusion, gênero que viria a influenciar dezenas de artistas. Consulte no link produtos à venda à direita do blog.

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

LPs esgotados

Os seguintes LP's não estão mais disponíveis:
-Lp Pat Metheny & Lyle Mays
-On The Corner (Miles Davis).
Veja todos os meus LP's à venda clicando AQUI ou no banner à direita.

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

domingo, 3 de agosto de 2014

Lp do Jimi Hendrix - vendido

Comunico aos leitores do blog que o LP do Jimi Hendrix foi vendido!
Ainda está a venda o do Guns! Agraços,

quarta-feira, 30 de julho de 2014

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Led IV

Este eu já ouvia com 15, 16 anos... Rock'n'roll na sua melhor forma, apesar das letras, grande som.
Bateria tocada com vigor e guitarras grunhindo!





domingo, 20 de julho de 2014

Vendo Compacto - Jimi Hendrix - Hey Joe/stone Free

E aí galera!
VENDO COMPACTO - JIMI HENDRIX - HEY JOE/STONE FREE
Impecável, excelente estado, NOVO. Sem arranhões.
Compacto RARÍSSIMO NUMERADO: 000825, único no Mercado Livre e creio que único no Brasil. Comprado na Record Store day.
Compacto MONO com som pesado, incrível, 45 RPM.
Acompanha adaptador conforme fotos reais do produto. Furo largo.
O FRETE É POR CONTA DO COMPRADOR. Aceito Mercado Envios e Mercado Pago. 
 
Compre aqui:
http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-575221487-vendo-compacto-jimi-hendrix-hey-joestone-free-_JM

sábado, 28 de junho de 2014

Led 2 na ponta da agulha

Rock'n'roll never dies, man.
Led II em vinil direto de 1977, com todos os babes-babes de Robert Plant!

sábado, 21 de junho de 2014

Curta as principais lojas de discos de Porto Alegre

As principais lojas de disco de POA!

 
Como eu já havia noticiado antes, o vinil está sendo um formato que cada vez mais é procurado por amantes da boa música: tem um som melhor, tem capa e arte como um bom livro e dura muito mais do que o CD. Mas para não ficar nas minhas palavras, lá vai matéria da ZH Digital de hoje. Ponto positivo: o vinil voltou e é um formato comercializado novamente, com novos artistas lançando em bolachão, com ótimas capas e grandes álbuns. O ponto negativo (por enquanto): é necessário garimpar, e muito, até encontrar preços justos...
 
Matéria na ZH:
 
No Centro da Capital, uma rota do disco de vinil atrai colecionadores e aficionados _ um público que tem se renovado com o interesse das novas gerações. ZH visitou lojas e briques da região, em uma incursão por acervos, novidades e raridades: confira as atrações, trace seu caminho e bom garimpo

Mercado Público

A Feira do Vinil do Mercado Público serve como uma amostra do que se pode encontrar nas lojas especializadas em Porto Alegre: o rock tem grande destaque, seguido por gêneros musicais como MPB, jazz e blues. O clima é mesmo de feira – vale a pena pechinchar e até levar seus próprios vinis para fazer um bom negócio.
 
 
 
 
 

domingo, 15 de junho de 2014

Buscando Miles Davis, Clapton e Weather Report


Estou buscando TUTU, do Miles Davis; Slowhand, do Eric Clapton; e Heavy Weather, do Weather Report. Se alguém tiver para negócio, contate-me pelos comentários do blog ou pelo Facebook @renatobluesboy. Ah, importante: estou buscando os LPs. Abaixo as capas:





sábado, 7 de junho de 2014

Miles Davis - LP Bitches brew



E finalmente consegui, por um preço justo, o LP Bitches Brew do Miles Davis. O exemplar que chegou às minhas mãos é um LP holandês de 1970, com excelente prensagem e som limpo e alto, repleto de graves e com todas as nuances do trompete de Miles Davis & cia. A capa, porém, está em estado não tão bom. Mas os LP's estão impecáveis. Custei a conseguir este LP porque tem gente pedindo R$ 200,00 por ele na Internet, um absurdo. Mas consegui por muito, muito menos, depois de muita pesquisa e negociações. É um LP que marca o início do Jazz Fusion, que nada mais é do que a fusão do Jazz com o Rock. Este LP segue a saga de Miles rumo às fusões com outros estilos em um som instrumental que às vezes é intrigante, às vezes cheio de improvisos, às vezes difícil de compreender... Tiro lições deste LP como uma aula de música, de expressão, de improviso, que tanto é presente na minha música também. Esse eu não consegui ouvir em CD. Tive que buscar em LP para sentir exatamente as sensações de quem ouviu este disco há 44 anos atrás, em um toca-disco analógico, com toda a energia do vinil. Espero conseguir traduzir, na guitarra, 1% deste som. Se eu conseguir, terei sido um músico 100% mais criativo e iluminado! Bem vindos ao Jazz Fusion, senhores. E na forma mais viril: Miles Davis.

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Acervo pessoal parte iv - Kind of Blue 180g

  1. Kind of Blue
    Álbum musical de Miles Davis
  2. Kind of Blue é um álbum de estúdio do músico americano de jazz Miles Davis, lançado em 17 de Agosto de 1959 pela Columbia Records, tanto em mono como em estéreo. Wikipédia
  3. Lançamento17 de agosto de 1959

domingo, 11 de maio de 2014

Lp Heavy Weather

Galera estou atrás do lp Heavy Weather do Weather Report. Se alguém no RS está disposto a se desfazer, trocar, ou vender, mande comentário neste post...

domingo, 20 de abril de 2014

Feliz dia do disco!


Ele gira e nos leva a viajar nas bases sonoras do universo. Ele existe desde 1948, sobreviveu até 2014 e hoje artistas como Pitty, Cachorro Grande, Acústicos e Valvulados e Caetano Veloso gravam em vinil. Você sabia que nos Eua ele nunca deixou de ser fabricado? Você que garimpa nos sebos por barbadas novas e velhas, comemore! Dia 20 de Abril é dia do disco! 

terça-feira, 15 de abril de 2014

quarta-feira, 19 de março de 2014


Renovando a coleção de jazz... Miles Davis e Keith Jarret. Agradeço à Heloísa da Costa pela doação!



quarta-feira, 12 de março de 2014

Discos de vinil crescem em vendas em 2013; saiba como cuidar da sua coleção

Interessante matéria do UOL. Mas não dispenso procurar bem nos sebos :-)
Transcrevo.
---

Há quem ainda consuma música no formato CD, mas é possível notar nos últimos anos o gigantesco aumento das vendas digitais junto ao consumo de serviços de streaming e, supreendentemente, o crescimento no mercado de discos de vinil. Isso mesmo, as tais bolachonas que não são as mais práticas, mas que certamente melhor proporcionam a união entre qualidade sonora e experiência sensorial e afetiva.

E os números não mentem. Como divulgou a BPI (British Recorded Music Industry), órgão responsável por gerenciar os números da indústria britânica, o Reino Unido teve seu melhor ano em vendas de discos de vinil desde 2001 -- que deve chegar a 700 mil cópias até o final de dezembro. Se comparado ao bolo inteiro, a venda de LP ainda é bem pequena na indústria, representando apenas 0,8%, mas ao considerar que em 2007 essa porcentagem era de 0,1%, a perspectiva muda. 

Os em parte responsáveis pelo bom ano têm nome: Daft Punk, David Bowie e Arctic Monkeys, que lançaram os ótimos materiais inéditos "Random Access Memories", "The Next Day" e "AM", respectivamente. Tais artistas investiram no formato e tiveram resposta positiva de seus fãs. O disco da banda comandada por Alex Turner, inclusive, lidera as vendas de vinil na Amazon britânica e "Random Access Memories" ficou no topo das vendas durante boa parte do ano. 

Outro ponto principal que tem auxiliado no fomento do mercado de vinil são os Record Store Day (Dia da Loja de Discos, em tradução livre), nos quais os estabelecimentos independentes se reúnem com artistas para o lançamento de materiais exclusivos e, às vezes, inéditos. Tem quem estoure o cartão de crédito na data comemorativa geralmente marcada no mês de abril. 

No caso dos Estados Unidos e Canadá, também houve aumento. A Nielsen SoundScan, que contabiliza os resultados dos mercados fonográficos de ambos os países, divulgou, por meio de relatório, que só na primeira metade do ano, o aumento das vendas de álbuns em vinil foi de 33,5% se comparado a 2012 – tendo o Daft Punk liderado com 32 mil cópias comercializadas até julho (contra 869 mil cópias digitais de "The 20/20 Experience", de Justin Timberlake). Tudo indica que o balanço final de 2013 deva ser ainda mais positivo para as bolachas. 

Por aqui

No caso do Brasil, os números de vendas de vinis são bem menores se comparados aos da Inglaterra e Estados Unidos, embora também tenha sido registrado grande aumento em 2013. A Polysom, a única produtora de vinis da América Latina, deve fechar o ano com um crescimento de aproximadamente 142% na produção em relação a 2012. "Isso demonstra que o mercado já está girando sem depender de apenas uma empresa lançando novos títulos", disse João Augusto, que reabriu a fábrica no ano de 2009, quando havia enorme descrença quanto à retomada concreta de tal tipo de consumo musical. O consultor, no entanto, não quis detalhar ao UOL os números de unidades produzidas e comercializadas na trajetória da fábrica. Assim como os gringos, os artistas nacionais também têm investido cada vez mais no formato. A Polysom, por exemplo, comercializa obras de nomes como O Rappa, Nação Zumbi, Tulipa Ruiz, Los Hermanos, Vanguart e Pitty. Entre os clássicos, figuram reedições remasterizadas de 180 gramas de Jorge Ben, Banda Black Rio, Moacir Santos, Novos Baianos, Secos e Molhados, Tom Zé. Os preços salgados variam, em sua maioria, de R$ 60 a R$ 80 – a justificativa são os altos impostos e altos gastos com matéria-prima. 

Como cuidar do seu vinil

Lançamentos, relançamentos e itens raros para ter em sua coleção e ouvir até enjoar. Quem tem esse hábito de consumo sabe o vício e a delícia que é retirar o álbum do encarte, colocá-lo no toca-discos, posicionar a agulha na primeira faixa e deixar o som rolar enquanto aproveita para vasculhar a arte de capa. Mas de nada adianta ter uma coleção com o melhor da música nacional e internacional se não houver um cuidado especial com os vinis. Assim, a pedido do UOL, João Augusto e Rodrigo Heyder, doutorando na área de polímeros do Instituto de Química da USP, deram dez dicas preciosas para a melhor conservação e limpeza de seus discos.

"Qualquer limpeza tem de ser realizada de forma suave e com materiais macios, para que a sujeira não risque ou destrua os sulcos por onde a agulha corre", diz Heyder. "O uso de produtos químicos tem que ser muito cauteloso para que não destrua a superfície ou deixe resíduos." Veja abaixo:

Limpeza a seco 

Use uma escova de cerdas macias – geralmente as de cerdas de fibra de carbono são bastante recomendadas. Outra possibilidade são as flanelas anti-estáticas, como aquelas utilizadas para limpeza de televisores. Modus operandi Lembre-se de que a limpeza deve sempre ser feita no sentido dos sulcos. Isso evita arranhões e facilita a remoção da poeira que esta depositada no interior deles. 

Limpeza profunda

Em certos casos o ideal é água e detergente neutro em pouca quantidade e bastante diluído. Enxágue diversas vezes para garantir que não haja resquícios de detergente na superfície do disco. O detergente teria a função de dissolver as gorduras e permitir que a água interaja com a poeira da superfície do disco, eliminando-a. 

Cuidado maior

Uma dica que Rodrigo dá aos que têm mais zelo com suas bolachas é o uso de água destilada. "Depois de utilizar água da torneira, o vinil irá secar e, caso haja sais dissolvidos nesta água, estes poderão ficar retidos na superfície do disco, o que pode danificá-lo futuramente." Deixe secar em pé em ambiente fresco e longe do sol. Depois, se necessário, utilize a flanela macia. 

Selo 

Em casos de vinis antigos, é válido evitar o contato da água com o selo que se encontra no centro do disco. João Augusto destaca, porém, que, em casos de vinis novos, após contato com a água "o rótulo do disco, que foi soldado ali no momento da prensagem, não sofrerá danos na lavagem desde que não fique ensopado por muito tempo".

Inimigos do vinil

Evite quaisquer outros produtos e, principalmente, a utilização de álcool e silicone para a limpeza. "O álcool pode danificar o plástico da superfície do disco e o silicone também não seria uma boa escolha porque ele encobriria os sulcos e seria um problema para o correto deslize da agulha do toca-discos (além de o pó ficar mais facilmente retido)", afirma Rodrigo. 

Leia a matéria completa:
http://musica.uol.com.br/noticias/redacao/2013/12/30/vinil-cresce-em-vendas-em-2013-saiba-como-cuidar-da-sua-colecao.htm

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Regulando a vitrola!

Os últimos dias de férias realmente nos permitem algumas estravagâncias e a minha estravagância de hoje foi regular a velocidade da minha vitrola. Isso porque fui ouvir um velho Peter Frampton (e também alguns Beatles) e notei que as coisas estavam um pouco aceleradas.
Mas como regular a velocidade de um tocadiscos? Em primeiro lugar, basicamente, temos dois tipos de tocadiscos: os direct drives e os com correia. O meu é com correia, então bastou abrir a tampa inferior e usar uma chave como esta:

Abaixo do motor há um minúsculo buraco onde entra somente este tipo de chave. Ali é regulada a rotação. Mas como acertar a rotação? 
Para um cara como eu, que tem ouvido, é relativamente fácil: basta colocar o vinil para rodar, enfiar a chave e regular a rotação "de ouvido". Basta alguns minutos de Hendrix para constatar a correta velocidade de reprodução.
Não conheço outra forma de regular a rotação. Você pode até colocar um CD com a mesma música para comparar se a velocidade está correta, mas ainda assim será "de ouvido". 





quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Vinil e evoluções tecnológicas

Lembro que fazem exatos 10 anos que, com meu próprio dinheiro, comprei meu primeiro computador pessoal. Seu monitor era um CRT e sua torre era, como todas daquela época, bege. Naquela época não havia banda larga em muitas residências e eu tinha que esperar até a meia noite para conectar, devido aos pulsos telefônicos. Com o pulso único havia somente uma cobrança. Conectar-se fora deste horário significaria elevar drasticamente a conta telefônica. Naquela época eu tinha alguns discos de vinil mas estava abandonando esta mídia aos poucos, pois já não havia pratos novos para vender. Com o computador, eu estava partindo para os MP3. Mas eu ainda achava estranho o fato de algumas frequências e sons simplesmente terem sumido.
Hoje, com o iPad em mãos, tenho a facilidade de comprar ou baixar conteúdo digital do iTunes Store e o faço às vezes. Não vou pagar R$ 100,00 para ter um vinil do Electric Ladyland. No iTunes encontrei por 5 vezes menos. Mas mesmo com toda esta tecnologia e mobilidade não consigo encontrar, no som digital, as frequências que eu encontro no vinil. Depois de ter reformado um velho tocadisco consegui alguns bons vinis, sempre garimpando em sebos e na web (Mercado Livre, Ebay, etc.), sempre evitando preços abusivos. E ali consegui reencontrar os sons que meus ouvidos há muito não escutavam. 
Vejo o vinil voltando à "moda" e sendo fabricado novamente no Brasil. Isso é bom, mas tenha a consciência de que o que você está ouvindo é som digital, no vinil. Para saber como é o som puro, analógico, só buscando nos velhos títulos de vinil dos anos 50, 60, 70 e 80.
E tem música boa meu amigo... Este é o último que comprei. 1984, de Rick Wakeman, álbum de 1981 com o som incrivelmente conservado, mesmo 33 anos depois...